Boletim

goncalves basse e benetti

11/01/2016

CFM ESCLARECE COMO USAR REDES SOCIAIS

Texto recém publicado pelo Conselho Federal de Medicina - CFM altera apenas um ponto no anexo I da Resolução 1974/2011 (Publicidade Médica), ou seja, os médicos continuam proibidos de distribuir e publicar em sites e canais de relacionamento fotos tiradas com pacientes no momento de atendimento, como em consultas ou cirurgias.

Para o CFM, devem ser apuradas a publicação de imagens do tipo “antes” e “depois”, assim como publicações e mensagens reiteradas e/ou sistemáticas (de aspecto não espontâneo) de elogios por parte de pacientes ou leigos, a técnicas e aos resultados de procedimentos feitos, associando-os à ação de um profissional da medicina.

A comprovação de vínculo entre o autor das mensagens e o médico responsável pelo procedimento pode ser entendida como desrespeito à norma federal.

Abaixo alguns critérios à serem respeitados de acordo com a Resolução do CFM.

 

PODE

  • Publicar em um perfil da internet e em redes sociais dados como especialidade, CRM, RQE, além do endereço e telefone do local onde atende;
  • Utilizar qualquer meio de divulgação leiga para prestar informações, dar entrevistas e publicar artigos versando sobre assuntos médicos de fins estritamente educativos;
  • Se apresentar como membros de sociedades que tenham relação com a sua especialidade;
  • Anunciar área de atuação registrada no CRM;
  • Quando imprescindível, usar imagem de paciente em trabalhos e eventos científicos, desde que autorizado previamente;
  • Disponibilizar informações sobre saúde por meio de um blog;

 

NÃO PODE

  • Distribuir e publicar em sites e canais de relacionamento fotos tiradas com pacientes no momento do atendimento, como em consultas ou cirurgias;
  • Divulgar fotos, imagens ou áudios que caracterizem sensacionalismo, auto-promoção ou concorrência desleal;
  • Divulgar fotos conhecidas como “antes” e “depois”;
  • Usar a internet para anunciar métodos ou técnicas não consideradas válidas cientificamente e não reconhecidos pelo CFM;
  • Anunciar especialidade/área de atuação não reconhecida, bem como especialidade/área de atuação para a qual não esteja qualificado e registrado junto aos conselhos;
  • Realizar consultas, diagnósticos ou prescrições por qualquer meio de comunicação de massa à distância.

TOPO